jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2019

Intervenção militar para preservar “a lei e a ordem”?

Só por determinação da presidente, explica consultor

Eduqc Consultoria, Administrador
Publicado por Eduqc Consultoria
há 5 anos

Nas redes sociais vem sendo compartilhada publicação sobre uma suposta “constitucionalidade de uma intervenção militar para a derrubada dos políticos brasileiros em todas as esferas”. Leitores, temerosos de ver ameaçada a democracia tão duramente conquistada pelos brasileiros, questionaram o Senado: ”é possível uma intervenção militar acontecer dentro da legalidade, se o povo fosse às ruas pedindo isso às Forças Armadas?

Interveno militar para preservar a lei e a ordem

A resposta é: não!

O questionamento foi feito à Consultoria Legislativa do Senado, que encaminhou a seguinte resposta: "Conforme o Consultor Legislativo, Tarciso Dal Maso Jardim, de fato, há grupos minoritários que propagandeiam a insensata tese de que haja fundamento constitucional para uma intervenção militar no Brasil.

O argumento seria baseado no artigo 142 da Constituição Federal, ao dispor que as Forças Armadas são instituições sob a autoridade suprema do Presidente da República e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

Note-se que a autoridade suprema é do Presidente e sob suas ordem as Forças Armadas devem defender a Pátria, como, por exemplo, em resposta a agressão armada estrangeira, e os poderes constitucionais. Por fim, no caso de lei ou da ordem, podem agir se o Executivo, o Judiciário ou o Legislativo requererem.

Lei ou ordem devem ser entendidas como sinônimas de segurança pública (art. 144 da Constituição Federal). Mesmo assim, conforme dispõe o § 2º do art. 15 da Lei Complementar nº 97, de 1999, a atuação das Forças Armadas, na garantia da lei e da ordem, por iniciativa de quaisquer dos poderes constitucionais, ocorrerá de acordo com as diretrizes baixadas em ato do Presidente da República, após esgotados os instrumentos destinados à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.”

Fonte

O que é o Qual Concurso?

www.qualconcurso.com.br

505 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Não sei porque tanto medo de uma intervenção militar, todos os dias vemos intervenção da corrupção, de bandidos, assassinos a má saúde pública, o maior problema é que não sei que democracia é essa que não resolve nada só colocam a sujeira debaixo do tapete e fingem que está tudo bem. continuar lendo

Concordo contigo Rodrigo.Chega de desmandos, falta de respeito com o povo. continuar lendo

É mesmo. Não sei pra que ter medo de golpe. Daí colocam um grupinho no poder, censuram a imprensa, colocar algemas no MP, na Polícia e no judiciário e tudo fica as mil maravilhas. Na democracia não dá pra esconder a corrupção, a má gestão, o sucateamento público, o aparelhamento do Estado, a má educação, a saúde precária e as mortes e torturas sistemáticas. Bom mesmo é esconder tudo, pq daí a sensação de que tá tudo bem faz o povo mais feliz. continuar lendo

Intervenção Militar para preservar a Lei e Ordem, talvez não, mas como disse nosso amigo Rodrigo, apoio uma intervenção para preservar a integridade de nosso País, que é saqueado as claras por governantes meticulosos e calculistas, que retiram daqueles que buscam e distribuem àqueles que não querem nem saber, recebendo em troca a manutenção do poder. Estamos entrando em um modelo de aristocracia compulsório, sou a favor de uma intervenção com intuito de devolver o país ao seu verdadeiro dono, O POVO BRASILEIRO! continuar lendo

É que na democracia tem bandidagem e você pode reclamar. Já na ditadura tem bandidagem, e se você reclamar vai pro pau de arará ou pro caixão. continuar lendo

Para os que acham que regime militar é bom, algumas questões para meditar:

1 - Regime militar é e sempre foi sinônimo de: repressão (ninguém pode falar ou fazer manifestação), prisão, tortura e morte;
2 - Perguntem para as mães da praça de maio da Argentina o que elas pensam sobre regime militar;
3 - Perguntem para o Fernando Henrique Cardozo (exilado), José Serra (exilado), Fernando Gabeira (preso), Dilma Rousseff (presa e torturada), entre outros, o que eles pensam sobre regime militar;
4 - Vamos ver exemplos atuais de países com regime militar e como está a população: Coreia do Norte, Irã, Síria, Rússia, Venezuela, Cuba, China, sem falar na África.

Se alguém encontrar um país com regime militar em que a população viva bem e tenha direitos civis favor citar, porque eu não lembrei de nenhum.

Abraços. continuar lendo

Como se militar em algum momento de nossa história tivesse respeito pelo povo. continuar lendo

Pessoas!

Reflitam. intervenção militar, golpe militar, golpe de "algum oportunista", ou qualquer outro tipo de golpe, é a coisa mais perigosa que pode acontecer em um país democrático. (quem, qual e como será o novo poderoso)

Todas as decisões deverão emanar do POVO. De alguma maneira o POVO deve se "conciliar", e, pelo surgimento de lideranças encontrará o seu novo caminho.

A intervenção ou golpe militar, é algo impensável, pois NINGUÉM tem condições de prever os acontecimentos que se seguirão.

Note-se que esse espírito surge após uma campanha eleitoral (no caso de Presidente da República do Brasil) cheia de desmandos, de ofensas, da utilização de meios que não foram claros. Em função desse estado de coisas, o voto conseguido pelo temor da perda do "Bolsa Família" está dando margem a uma eleição tida como defraldada.

Une-se a isso, os "pseudos" brasileiros que a guisa de não saber em quem votar, de não ter um candidato escolhido, de não saber qual dos dois seria o melhor ou o pior, tornou o resulta do pleito uma tragédia, votando em branco ou anulando o voto, (em torno de 27.698.199 (19,39%)), pessoas essas que teriam condição de mudar o rumo da história, pois possivelmente deixaram de votar sem medo de perder o Bolsa Família), tendo então a condição de escolher o candidato e não de ser escolhido pelo candidato.

Há o direito legal de não votar. Basta somente pagar uma multa de poucos reais e pronto. No Brasil a opção de votar é obrigatória e por isso todos têm a obrigação de votar. Votar em branco, votar nulo ou se omitir de votar é um ato covarde que lesa, ofende e ataca a democracia.

Dirão os "contraditos" : Estou dentro da Lei.

Sim, mas a questão é a moral e a responsabilidade de manter no poder os políticos que, hoje, "enlameiam" o Congresso Nacional, que pertencem a uma casta política deplorável; pessoas indignas de estarem ocupando um cargo eletivo.

Tomando por base os Estados Unidos, onde o voto é livre (ninguém é obrigado a votar), porém, não tem um programa miserável que aliena a vida indigna dos desmerecidos de uma vida digna; não por seus valores, mas por desmandos políticos e abusos do poder.

Os que têm um pouco de "luz" estão "mordendo os cotovelos"; os que estão com indignação política desejam qualquer coisa diferente do que aí está.

Surgiu um movimento:

"O Brasil não quer e não vai ser uma nova Venezuela, e os EUA precisam ajudar, como promotores da democracia e da liberdade no Brasil. https://petitions.whitehouse.gov/petition/position-yourself-against-bolivarian-communist-expansion-brazil-promoted-administration-dilma/V2Y8Dpqm" que busca trazer a tona a análise americana sobre a "votação eletrônica no Brasil e suas possíveis manipulações. Para isso basta consultar o link e aderir ou não.

Este movimento está indignado, com os acontecimentos políticos, os horrorosos escândalos,"tipo"Petrobras (todo o conglomerado), Banco do Brasil, Caixa Econômica, Correios e por aí vai.

Infelizmente isso é o começo da REVOLTA que está surgindo, o povo sempre denegado em seus mais básicos direitos; o dinheiro ESBANJADO, para eles, dinheiro fácil; para nós, nosso dinheiro, conseguido com o nosso suor.

Após estar" sacramentada "a eleição, serão exauridos os últimos recursos ainda existentes, e depois, então............. qualquer coisa serve.

Espero que o povo não se lance a aceitar um golpe, seja lá de quem partir; que o povo imite" os cara pintadas " e saia para reivindicar os seus direitos, a exigir aquilo que lhe pertence, por direito, pelo direito por ser um Cidadão Brasileiro. continuar lendo

Não sei que idade voce tem?? Se não sabe o que é talvez não tenha medo. Mas quem viveu isso, e era cidadão comum, tinha muitos motivos para ficar sempre com medo. continuar lendo

Se não sabe porque, estude a história do Brasil e de todos os países da América Latina e irá entender.... continuar lendo

Sugiro que peçamos que alguém aponte um único militar que entrou pobre no governo e deste saiu rico e quantos civis entraram pobres e saíram milionários. Que tal lançarmos este desafio? continuar lendo

Veja-se que os guerrilheiros que hoje estão no poder, nunca lutaram pela democracia, mas sim, pela implantação de outra ditadura financiada por Cuba.
www.youtube.com/watch?v=8VtXhnxWHC0
A partir do momento em que urnas eletrônicas são fraudadas, nossa democracia está totalmente em risco. continuar lendo

Vejam bem, não se trata de ditadura; Não se deseja fechar o congresso nacional, as fronteiras, calar os meios de comunicação, confiscar poupanças, romper tratados, e sair nas ruas atirando nos contrários...

O que mais de 51 milhões de eleitores desejam é a saída do PT, somados aos 29 milhões que simplesmente não quiseram participar...

Não vou esquecer alguns milhões que foram coagidos através do pavor implantado pela possível perda de benefícios...

Na matemática final elegemos uma Presidente com trinta e poucos porcento dos votos...

Agora, o desejo popular de ver a intervenção em um Estado aparelhado, com controladores estrategicamente posicionados, a fim de transparecer um pseudo democracia, vem justamente dos resultados apresentados na ultima década, e na previsão de especialistas mundiais, que apontam resultados desastrosos aos desmandos pouco ortodoxos em todos os ramos dessa administração.

Não é que um general administra melhor melhor que o lula ou a dilma, em que pese ele ter passado a vida profissional em uma função de comandamento, porém, certas decisões desejadas pelos brasileiros fundam-se no periculum in mora e na necessidade de mudanças das pessoas envolvidas, as quais não externam quaisquer níveis de confiança popular, por falta de moral e ética.

Para mim ficou muito claro que quando a Marina Silva apontou em prover independência ao Banco Central, retirar não especialistas do comando de estatais, e não fechar conchavos políticos, todos os demais candidatos voltaram-se a ataca-la, pois, farinhas do mesmo saco. Perdemos a oportunidade de mudar democraticamente (e não quero nem entrar no mérito de fraude em urna eletrônica).

Agora simplesmente temos medo do futuro, que a vida toda disseram ser o lugar do Brasil.

Foi usada didaticamente a cartilha de Lenin... É uma técnica muito estudada pela esquerda, e não falo PT, falo da farinha toda. continuar lendo

A intervenção vem por um motivo social com a perda de legitimidade da presidência. Assim foi Getúlio, Jânio 64, Collor. Aparece por um movimento da sociedade buscando solução no Judiciário ou nos Congressos, podemos ter um desfecho democrático, na falha destes os militares assumem. O momento é pertinente pois a corrupção e os indícios de compra de votos com ao bolsa família precisam ser esclarecidos e não ignorados. A ideologia de mudança da nossa constituição para um tipo sul-americano ficou evidente no discurso do grupo que se manteve no governo. continuar lendo

Correto, Rodrigo Silveira. continuar lendo

É isso mesmo. O que temos agora não é democracia, mas ditadura de esquerda levando o país ao caos do bolivarismo sombrio e ridículo o qual guarda ainda estreita relação com o terrorismo, sem falar na rapinação ampla dos cofres públicos, tudo garantido pela compra de votos através da esmola oficial e de leis elaboradas no próprio interesse e conveniência para garantir a impunidade dessa quadrilha que, em verdade tomou o poder. É este o tipo de país que desejamos para os nossos descendentes? continuar lendo

Não sei a sua idade, mas pelo comentário não viveu a época da ditadura e nem o fim da mesma. O que posso dizer é que nem tudo é tão trivial como parece ser, tratando-se de política, de poder, sempre há muitas causas, motivos ocultos, sigilosos que não podem ser esclarecidos para o povo. O mundo é resultado do egoísmo, da luta pelo poder, da covardia do mais forte contra o mais fraco, da mentira e da coação como meio para a conquista.
https://www.youtube.com/watch?v=zpVqs0pTOTI continuar lendo

Guilherme Macedo, pois não é, menino!? Tudo, tudim o que vc escreveu aí aconteceu (tomara que seja passado para sempre!) no meu Estado, o de Minas:
"corrupção, a má gestão, o sucateamento público, o aparelhamento do Estado, a má educação, a saúde precária e as mortes e torturas sistemáticas. Bom mesmo é esconder tudo, pq daí a sensação de que tá tudo bem faz o povo mais feliz."
Por isso que o Aécio saiu, segundo ele, com 90% de aprovação. Aliás, o instituto que aferiu isso deve ter sido o mesmo que lhe deu vantagem de 10% nas eleições do 2.º turno. Te dou um doce se vc achar alguma matéria em Minas (e no Brasil, né?) contra o Aecim na época dele governador por aqui. E ainda hoje é a mesma coisa. Tudo amordaçado pelo governo de Minas. Mas Minas lhe deu a resposta. Uma boa resposta.
Precisamos sim, é de uma reforma política, com uma assembleia constituinte específica. E não de militares. Eles têm uma nobre função. Não queira deteriorá-la. Deixo-os em paz, por favor. continuar lendo

Não se conformam mesmo e ficam esperneando como se estivessem com razão. continuar lendo

É isso mesmo!
A maioria nem sabe como é bom, um regime militar, ditadura de direita (de esquerda não é aceito por EUA).
Numa ditadura é tudo certinho, não existe essa bagunça, cheio de partidos fazendo projetos para pobres e ignorantes (podem ser a maioria, mas não contam). Numa ditadura tem muita coisa legal: pode-se proteger as grandes fortunas e jogar toda a carga tributária nos pobres e trabalhadores. Também pode-se dominar a mídia e controlar a informação que atinge o povo e até convence-los que não há uma ditadura. Se aparecerem opositores, você pode tortura-los e dar sumiço, sem ter nada a explicar. As pessoas de bens são respeitadas (desde que não se oponham) e tem mais valor que um cidadão comum e descartável. Não há lugar para escândalos de corrupção e nem a perda de tempo com julgamentos e advogados, qualquer um pode ser preso, sentenciado e descartado rapidamente sem delongas.
Enfim, a ditadura é muito boa, se você fizer parte dum grupo privilegiado (meritocracia) e que não questione, você pode prosperar e o melhor de tudo, é que todos tem o direito de concordar, ou discordar se tiver coragem e meios de pedir asilo político. Ame-o, ou deixe-o. continuar lendo

É Rodrigo, o que temos hoje no Brasil, denomina-se "baguncia" e não democracia. Para os bandidos, traficantes, corruptos, tudo pode, enquanto que para as pessoas de bem, nada pode. Algo que tem que ser feito e urgente, porque os "democratas" que estão hoje no poder, envolvidos em corrupções, escândalos e comprometimentos escusos, já perderam totalmente as rédeas. Há um descontrole total, principalmente na área que mais entendo (segurança pública). Quem quiser pode checar e confirmar o que vou citar: na época dos militares no poder, como dizia o Maluf: "lugar de bandido é na cadeia", Rota na rua...Algo tem que ser feito sim, mesmo que o "remédio seja um pouco amargo para alguns"... continuar lendo

Rodrigo, acho que uma grande maioria entende "intervenção militar" como sendo um "governo militar e com ditadura", e é evidente que "intervenção", como o próprio nome explica, tem a função de intervir circunstancialmente e como último recurso à disposição do povo.

Sabemos que o chefe maior das forças armadas é o presidente em exercício, porém, a lealdades das forças armadas é, em última circunstância, devida ao povo da nação brasileira. Não se pode exigir lealdade a alguém que, "hipoteticamente", viesse a ferir a democracia ou a liberdade, mesmo tendo sido eleito pelo povo, se trair a vontade da nação e houver desvios dos rumos e estiverem buscando mudar o regime vigente, em detrimento do bem estar da população, a lealdade seguramente deverá estar junto ao povo!
A vontade popular é soberana, embora nem sempre seja desta forma que as coisas caminhem.

Se uma "hipotética" intervenção é possível legalmente ou não, é algo a ser discutido se o fato vier a se tornar necessário.

Creio que se o povo em sua grande maioria vier a solicitar uma intervenção é porque ficou claro que o governo não está atendendo os anseios da nação brasileira, ou porque eventualmente, implantou ou está tentando implantar, um regime que não atende os desejos da grande maioria.
É evidente que neste caso o povo não estaria mais preocupado com a legislação, uma vez que ela já teria sido "desrespeitada pelos próprios governante", e neste momento, se todos os poderes estivessem "aparelhados" e não tomassem a constituição "ao pé da letra", estaríamos pedindo socorro, não simplesmente a uma "mão armada", mas sim, a "mão armada da nação e de seus patriotas a serviço dela". Se de outra maneira fosse, estaríamos pretendendo ter a nosso serviço "mercenários" e não os nossos militares, que certamente irão até as ultimas consequências simplesmente pelo patriotismo pois, sabemos que a remuneração das forças armadas é muito inferior do que a remuneração de muitos cargos apadrinhados por políticos e "aboletados" em cargos no governo.

Não podemos nos esquecer que "ao fim e ao cabo" os contingentes de nossas forças armadas nada mais são do que "PARTE DE NÓS MESMOS", são nossos irmãos, nossos filhos ou nossos netos... continuar lendo

Comissão da Verdade para apurar o desvio milionário da PETROBRAS dinheiro que poderia ter sido usado para Segurança e Saúde pública, essa falta de recurso está matando cidadãos que precisa de um bom atendimento médico, tirando a vida daquele que poderia estar passeando dignamente com a família , mas tem medo de sair de casa e ser roubado ou levar um tiro e não voltar nunca mais, os condenados do mensalão indo pagar pena em casa contrariando artigo da Constituição de que a lei é igual para todos. continuar lendo

Só quem tem medo de polícia e militares é: Bandidos, vagabundos e toda sorte de fora da lei...
O Brasil é um projeto que não seu certo.

Movimento Separatista Dos Estados Do Sul. Estados Unidos Do Sul - EUS
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com/2014/10/movimento-separatista-dos-estados-do-sul.html continuar lendo

Ao Carlos Roberto Bernardi todas essas ditaduras que você citou são as mesmas de sempre apenas aparentando mais ainda do que sempre foram:
Ditaduras Islâmicas comunistas.
O Chile é um país que teve uma ditadura de direita vitoriosa e que realmente acabou com os comunistas de lá e por isso é o único da América Latina que presta.
O Foro de São Paulo já vez de tudo para destruí-lo e agora conseguiu botar uma esquerdista no poder.
Temos o Egito que derrubou a ditadura Islâmicas comunistas que estava em vigor por lá (muito comum na região) e temos a Tailândia.

Só quem tem medo de polícia e militares é: Bandidos, vagabundos e toda sorte de fora da lei...
O Brasil é um projeto que não seu certo.

Movimento Separatista Dos Estados Do Sul. Estados Unidos Do Sul - EUS
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com/2014/10/movimento-separatista-dos-estados-do-sul.html continuar lendo

O mais engraçado é ver gente reclamando de "ditadura da esquerda" na internet. Gente, por favor, se isso fosse uma ditadura você sequer poderia cogitar a ideia de dizer isso em público. Outro ponto: o PT está no executivo por votação, eleito por maioria pelo povo, isso somado à vcs falarem abobrinhas do governo por aí sem serem reprimidos se chama democracia.
Acho que sobre questões de saúde pública, educação, políticas públicas e até mesmo corrupção, vcs deveriam passar os olhos pro nosso legislativo que anda bem doente, nunca tivemos um tão conservador como esse. E a gente sabe bem o que conservadores gostam né? Reprimir direitos e fomentar a divisão de classes e o acúmulo de renda por parte de uns poucos indivíduos.
Vamos focar no que importa, Presidenta nenhuma comanda o país sozinha, o legislativo tá ali, errando aqui, acertando ali, mas a culpa só cai no Executivo... continuar lendo

É preciso entender a diferença entre intervenção militar e golpe, a intervenção, se acontecesse, seria positiva, seria um movimento cívico-militar, visando a restauração da ordem, a defesa da democracia e o resgate da dignidade nacional. Me parece ser uma questão ao estremo, do qual, penso estarmos longe. Mas vendo a questão do avanço socialista, a situação é no mínimo preocupante, e sem partidarismos de minha parte, mas com um sistema eleitoral que se demonstrou duvidoso, de um TSE suspeito e inatingível, penso que as pressões populares precisam ser contínuas e cada vez mais organizadas. continuar lendo

Por acaso, amigo, no militarismo não havia corrupção......se não sabes, foi a era mais corrupta de nossa história. Com apenas uma diferença: nessa época, quem denunciasse, desaparecia da noite para o dia. Ipso facto. continuar lendo

Boa noite, poderia até aumentar a coluna com mais alguns detalhes, mas a explanação do Ciro Mendes Junior ja diz tudo e tambem mais um pouco, concordo plenamente, alias ja tenho dito a muito que o intuito do PT e perpetuar-se no poder. Façam uma analogia com o Nacional Socialista Germanico, é bem simples e facil a matemática. saudações. continuar lendo

E os comunistas de plantão insistem em querer confundir o povo, como sempre fizeram, afinal esta é uma das táticas desta gente, em dizer que Intervenção Militar é Ditadura Militar. Não conhecem a história do Brasil quem diz que houve ditadura militar aqui.
Repressão e prisão houve sim, mas para os comunistas que se preparavam para fazer deste País uma Cuba. O Governo Militar não prendeu 1 cidadão sequer, que não fosse comunista. Agora os subversivos, como eram chamados na época, mataram, torturaram e esquartejaram civis nas áreas onde se preparavam para fazer a guerrilha ou o que ´são as FARCS hoje.
Fernando Henrique e outros, nunca foi exilados. Eles fugiram para não serem presos. Onde está o documento assinado pelo governo, na época, expulsando-os do País?
Perguntem ao povo argentino, o que eles acham da atual gestão da Cristina? O País está se afundando a cada ano que passa.
O que os socialistas e comunistas do Brasil fizeram para o crescimento deste País, desde o final da Intervenção Militar de 1964? Contruiram grandes estradas? Construiram Hidreletricas? Contruiram grandes hospitais? Construiram grandes Universidades? Não construiram nada e pessimamente estão mantendo ou deixaram se acabar por incompetência ou por corrupção.
Intervenção Militar é o assombro de todo governo. Quando a população começa a sentir que foi ludibriada como foi a Venezuela, que era uma nação rica e petróleo e a PDVSA é dona da maior refinaria do mundo, o que os comunistas fizeram lá? Destruiram as riquezas do país, aqueles que são contra o regime bolivariano, são mortos nas ruas e os crimes são caracterizados como assalto, acidente e outras mirabolantes tática para amedrontar a população e se manter no poder. A Bolivia é outro país que está dominado a força pelo Evo Morales. Quem vai a Corumbá e atravessa a ponte até Puerto Soares, o que vê é lamentavel, uma pobreza generalizada, falta de infraestrutura, crianças pedindo na rua. Onde está o dinheiro do cobre e dos minérios, o dinheiro do gás natural? O que o sr Evo Morales e os políticos estão fazendo com as riquezas daquele país?
O PT e o atual governo, atraves do Foro de São Paulo, quer levar o Brasil para o mesmo buraco somente para se manter no poder e já se aparelhou demais a ponto de o Brasil estar afundando com a Petrobras, enquanto em todos os países do primeiro mundo o preço do combustivel baixou por conta da queda dos preços do petróleo no mercado internacional, no Brasil, a Petrobras terá que aumentar os preços dos combustíveis, para não quebrar, mais do que já está quebrada e desacreditada no mercado internacional.
O atual governo não tem nenhum interesse em baixar a criminalidade, pois os índices de assassinatos causados por furto e roubo só aumentam a cada ano. Ou não querem acabar ou são incompetentes. E a situação já chegou num ponto tão crítico que não há outra solução senão a Intervenção MIlitar para por o País no eixo novamente, como um país democrático verdadeiramente, com um sistema eleitoral com poucos partidos que tenham realmente uma ideologia política a defender, não este monte de facções que estão aí somente para se beneficiar do dinheiro público.
Uma coisa é certa, tão certa como a morte é a única herança de todo ser humano vivente neste Planeta. Quem não deve, não teme. Isso Num país democratico verdadeiramente livre. continuar lendo

Não existe na história ,registro de militares envolvidos com corrupção no regime militar.Tanto sim que os marginais que foram impedidos de comunizar o Brasil em 64,e hoje se encontram no poder,nunca apresentaram nada neste sentido,pois se houvesse seria um prato cheio para eles. continuar lendo

Pelo que reza a Constituição, ... autoridade suprema é do Presidente..., ele só é autoridade suprema porque foi eleito por maioria de votos do povo, portanto esta mesma maioria e mais alguns, 93%, querem a saída deste governo e pedem a INTERVENÇÃO MILITAR, do qual sou a favor, por ver que no momento atual são os únicos capazes e idôneos para assumirem a NAÇÃO até que nos livremos de todos os corruptos que estão no poder continuar lendo

Guilherme. E hoje não é justamente um grupinho, uma panelinha, que está no poder censurando a imprensa e ameaçando qualquer um que se oponha? continuar lendo

A hora chegou para os militares para retornar - para limpar a casa . Todo mundo sabe que as coisas estavam muito melhor durante o governo militar : muito pouca corrupção ou crime violento. Sem mais conversa , por favor, voltar em breve. O nosso Brasil precisa de sua ajuda e cuidados agora! continuar lendo

O povo tem medo porque nas escolas mostram apenas as partes ruins da ditadura. Eles não mostram o que foram as contas públicas, não mostram o respeito que se tinham as leis e aos brasileiros. Caso não haja a intervenção eu ainda apoiaria o golpe militar. (que é entrar a força no poder mesmo). Quem tem medo de leis e de policia é bandido. Pago meus impostos como todos os brasileiros e estou cansado de ser feito de idiota por esses pilantras que assumem governos e posses e não fazem porcaria nenhuma para o país a não ser para merito próprio. Leis que só apoiam vagabundos tiram dignidades do povo brasileiro. Não sou contra homosexuais e lésbicas cada um tem sua escolha de como quer viver suas vidas. Porém isso que querem fazer nas escolas de deixar cada aluno ir pro banheiro que quiser ou que se achar melhor poder ir, ABSURDO qual o pai de um menina vai querer uma situação dessas??? Não poder dizer incentivar seu filho ser homem ou mulher porque querem dizer que a criança que escolha seu sexo sem ter intervenção dos seus pais, minha gente, que país é esse???
O Brasil está se acabando com esses vagabundos que estão representando apenas classes deles. Minha gente nosso Brasil era ERAAA muito respeitado antigamente eramos pessoas hospitaleiras e educadas. Hj se sabem que existem turistas em determinados locais superfaturam produtos hospedagem e etc,,, que país é esse??
Esse ai foi meu desabafo, sei que esses problemas não chegam a 0,00001% de todos os problemas em que o país precisa melhorar..
Por isso em 2018 serei MITO...
Serei Jair Bolsonaro 2018

#JAIRNAPRESIDENCIA
#JAIRMITO2018
#JAIRBOLSONARO

É isso ai galera, fiquem com Deus e que ele tenha piedade de nós continuar lendo

concordo, com a sua opinião!! continuar lendo

Pedir intervenção militar na ordem política, eis a beleza da Democracia. Somente um regime democrático pode autorizar tal manifestação do pensamento. Esses brasileiros que pedem a intervenção militar tem seu direito de pensar e agir assegurados pela Constituição de 1988. Se estão certos ou errados, isso é outra história.

O que me assusta nisso tudo não é o fato de um grupo pedir a intervenção militar, mas sim, a forma com que a mídia, os políticos, as redes sociais tratam do assunto.

O mais emblemático não é discutir a possibilidade do fim da democracia (ou quase democracia onde o povo é levado a crer que decide algo), mas sim os fatores motivadores que levam as pessoas a pedirem uma tão severa intervenção na ordem política nacional.

Vejo sintomas de uma ruptura com o espírito "pacifista" do brasileiro.

Pequenos grupos ideológicos estão tomando forma concreta e indo às ruas. Em uma comparação talvez não muito exagerada, temos que as células terroristas e os grupos extremistas que hoje atuam em diversos países nasceram de radicais que, por nunca serem ouvidos e atendidos em suas reivindicações resolveram chamar a atenção utilizando da violência, muitas vezes extrema.

Em grande parte os políticos, em especial os governistas, não veem ou não querem ver, ouvir, sentir o que vem das ruas. Com suas palavras agressivas e gestos estúpidos, estão fomentando a formação de grupos com potenciais ainda desconhecidos.

Quando Lula, Dilma e João Santana dizem que "eles" querem que o pobre continue pobre e o rico cada vez mais rico, ou quando dizem que "eles" querem que o Nordeste continue a ser sempre miserável, ou ainda quando dizem que "eles" não querem ver negros nas universidades, estão adubando uma imensa floresta de "ELES", sem rostos e dispostos a até mesmo chamar de democrática uma Intervenção Militar.

Isso é só o começo. Como eu disse em um outro comentário, não se muda um país com a bunda na cadeira e o dedo no teclado. continuar lendo

Prezado Leonardo

O que me assusta realmente, são pessoas dizendo - que saudades da ditadura, eu era feliz e não sabia, preocupante. continuar lendo

Fantástico texto. Não concordo apenas com a parte "chamar de democrática uma Intervenção Militar."

Existe um preconceito generalizado sobre as Forças Armadas, as quais são as únicas responsáveis pelo zelo da Constituição Federal de 1988. A democracia só existe pelas mãos das Forças Armadas, as quais, hoje, estão esquecidas, desvalorizadas por um conceito antigo, extinguido há 30 anos.

"Taxar as Forças Armadas de ditadores é o mesmo que taxar os jovens cidadãos alemães de nazistas." - Pensamento retirado da palestra com a Professora Drª SAMANTHA RIBEIRO MEYER-PFLUG (SP): https://www.youtube.com/watch?v=qbSpLOVp6ps continuar lendo

Pois,senhor Leonardo, como historiadora, posso dizer que nada acontece por acomodação, mas por revolução. E isto se dá quando a sociedade extrapola suas expectativas no estado. Hoje o que assistimos é um estado ditatorial, como já tivemos em outros períodos da nossa história, porém como não poderia deixar de ser muito mais audacioso e indiferente.Não há povo que resista por muito tempo, a isto.
Como o senhor diz, o povo brasileiro , até então, pode ser chamado de pacifista, pois temos poucas situações de conflitos e todos foram derrotados. Hoje a gente já percebe, por estar "com a bunda na cadeira e o dedo no teclado", que por esta performance, o povo está pensante e não aceita mais ser desrespeitado.
Alguma mudança acontecerá e não temos medo da intervenção militar, pois os tempos mudaram e não haverá mais retrocessos com eles,de como estamos na beira de ter, com este governo instalado. continuar lendo

Estranho muito a forma de tratar o militar, pois quando a coisa fica feia é a eles quem chamamos, no passado e no presente.

Vou fazer uma afirmação: Nunca houve ditadura no Brasil! Gostaram? A única foi a dos senhores de engenho, eles, estes "senhores" ditavam a seu bel prazer e os escravos rebeldes morriam.

O povo brasileiro é uma gente mimada que se não der o que quer faz birra. Se tivéssemos aqui umas bombas atômicas como Hiroshima e Nagasaki, ou um Fidel Castro, ou um Hitler, ou quem sabe Saddam Hussein ai talvez pudéssemos falar de ditadura.

Eu vivi na época do governo militar, não leio ninguém falando dos feitos desta época tão importante, nem ainda dizem que em 21 anos saímos da 41ª economia para a 8ª. As pessoas cospem no prato que nossos pais comeram, enxovalham uma época que nem historiador sabe dizer bem como foi, pois quando discursa sobre o tema o faz por parcialidade, para dar a impressão de que sabe e portanto quando diz que militar é ruim fala com propriedade.

Penso que estas pessoas não deveriam nunca se servir do militar em tempos de angústia, pois os desprezam vilmente. As pessoas frisam os excessos cometido naquela época e não reparam que excessos muito maiores são cometidos hoje, a diferença entre lá e ca é que ca se pode fazer tudo que é tipo de arruaça sob pretexto de liberdade. continuar lendo

Já estamos num regime militar de um exército vermelho e desgovernado. Vivi o regime militar e tenho saudades do tempo em que a única coisa que não se podia fazer era falar mal do Presidente. As pessoas tinham valores, ética, moral e civilidade. Podíamos andar tranquilamente pelas ruas, tínhamos excelentes escolas, quem estudava em escola particular eram somente aqueles que não acompanhavam a escola pública, havia exame de admissão para se ingressar no ginásio (ensino fundamental de hoje), não vivíamos sobressaltados por assaltos, estupros, latrocínios. Os símbolos nacionais eram respeitados, hoje são estampas de biquíni. É certo que algumas pessoas sofreram, outras aproveitaram-se para barbarizar, pois sabe-se que não lutavam por democracia, mas sim para introduzir no país um regime comunista e hoje se fazem de vítima para extorquir do governo indenizações e pensões milionárias. Sinto saudades do tempo em que podia-se dormir com a casa aberta, sair sem se preocupar. Hoje não é necessário dizer o que acontece, onde os seres de bem estão reféns de toda as espécies de marginais (corruptos, ladrões, latrocídas, golpistas, estupradores, e afins), no entanto podemos falar mal do presidente - grande coisa. continuar lendo

Senhor Paulo Abreu

Não se pode ter saudade de algo ruim. As pessoas que mais sofreram sob o regime militar são justamente, analogicamente falando, gente tipo bad blocks, sabe por que? O art V da Const. veda o anonimato, estes pisaram na constituição e o que sucedeu a eles, aos bad blocks? Nada.

No regime militar eles responderiam na íntegra.

Então o marginal, o bandido se dava muito mal, as pessoas respiravam um ar de tranquilidade e as crianças podiam ser esquecidas pelos pais a brincar na praça, pois se alguém falasse que a capitura (assim era chamada a polícia naquela época onde eu morava) a criançada abria o berreiro a correr para casa. O povo maldito, os bandidos tinham medo até se borrar, se caísse nas mãos da polícia era provável não voltar mais.

Na ponta extrema certa vez minha mãe, para me colocar portão adentro disse: "Fulano, olha, o maconheiro vem vindo", fugi para dentro, fiquei vários dias sem sair de casa. Hoje as mães dizem, cuidado filho, o fulano não é maconheiro.

O trabalhador ia e vinha tranquilo, tranquilo...hoje, o bandido vai e vem tranquilo, tem até escolta, tem direitos humanos, auxílio reclusão...

E a mídia que não se embrenhava em enxovalhar o governo não sofria quase interferência nenhuma. Era cada um no seu quadrado. Hoje: "me dá o seu quadrado e ainda assim te mato queimado e ai vão me ressocializar". continuar lendo

Como apregoam que o mundo é "feminino", que venha a DITADURA para a maioria.

É o mínimo possível para felicidade de muitos (poucos.....minoria) continuar lendo

Só quem tem medo de polícia e militares é: Bandidos, vagabundos e toda sorte de fora da lei.
O Brasil é um projeto que não seu certo!

Movimento Separatista Dos Estados Do Sul. Estados Unidos Do Sul - EUS
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com/2014/10/movimento-separatista-dos-estados-do-sul.html continuar lendo

Você tem razão Leonardo, não se muda um país com a bunda na cadeira e o dedo no teclado. Só isso não muda um país. É preciso mais, porém, exceto a revista VEJA e poucos outros veículos de comunicação escrita, talvez esta seja a única forma de lutarmos por mudanças em um país que resolveu, mediante os votos da maioria ignorante conta praticamente o mesmo número dos que trabalham e pagam a conta, assumir rota direta ao fundo do poço. A escuridão que assombra a Venezuela, Cuba e outros países onde o populismo impera, onde não há direitos ou liberdade, é o que querem os atuais mandatários do poder. Lutam diuturnamente por isso. Mentem, roubam e enganam com objetivos que vão além do enriquecimento. Querem perpetuar-se no poder como comandantes da nação, mesmo que esteja destruída. Infelizmente a mentira venceu as eleições. A incompetência ganhou mais quatro anos de desgoverno. A agonia já perdura 12 anos e agora o país tem que suportar mais um mandato dos que, ao máximo, se esforçam para nos destruir. Já está mais que evidente que estes comunistas querem arrebentar com você que trabalha, raciocina, estuda e luta pela família e colabora sobremaneira para o bem comum. Pois é Leonardo, a mídia sufocada e comprada terá que assumir, cedo ou tarde, sua responsabilidade. Não há neste país meio de comunicação mais eficiente que a televisão que atinge em cheio os que precisam ser informados acerca do seu próprio abate. Não o fazem. Se acovardam e punem jornalistas que corajosamente manifestam-se contra a cambada de pilantras que tomou o país de assalto. Não se pode dizer que houve eleições justas quando a mentira venceu. Se não termos os meios de comunicação a proteger a democracia e a ordem, o que nos resta além da bunda na cadeira e dedos no teclado? Deus nos ajude que um dia os que votaram e mantiveram o inimigo no poder, possam nos agradecer pelas horas de trabalho despendidas "no teclado". Quando se fala em golpe militar, os inconformados não estão confrontando um governo que venceu de forma justa, mas um inimigo que mente, rouba, manipula e sabe-se mais o que tenha feito para manter-se no poder. Nossa bandeira é trabalhar duro e honesto para um futuro melhor para todos. A bandeira dos que venceram com mentiras é roubar o que produzimos e perpetuar-se no poder. Alguém tem alguma dúvida? continuar lendo

Eu acho interessante o comportamento de muitas pessoas. Se o outro partido tivesse vencido as eleições e um grupo de 5.000 pessoas pedissem intervenção militar para garantir a ordem pública chamariam de grave risco à democracia, desrespeito ao Estado de Direito. Muitos veículos da imprensa agiriam de maneira similar.

Entendo que se uma pessoa não consegue viver numa democracia e prefere uma ditadura deve procurar países totalitários para desfrutar a vida. Muitos não compreendem nem o que estão pedindo e não sabem que o feitiço pode se voltar contra o feiticeiro (eles podem ser reprimidos pelos que eles pensam em reprimir). Deve-se ter em vista que o Brasil não vive mais a década de 60. Uma repressão militar agora não seria tao fácil de ser controlada como há 50 anos atrás e os resultados seriam trágicos.

Por que ao invés de fazerem pedidos anti-democráticos e que revelam, no caso de boa parte, falta de conhecimento, não fazem protestos apresentando ideias realmente inteligentes, propostas inovadoras, mas dentro da legalidade? Querem restabelecer a "ordem democrática" através de medidas não democráticas em nome de uma pretensa ética e moralidade que não está presente na esmagadora maioria da sociedade brasileira. Ou os políticos brotam da terra e não do seio da sociedade. Os mesmos que infringem leis de trânsito, furam filas, sonegam impostos, exigem o que não fazem. Se uma pessoa dessa se torna político é óbvio que ele vai anuir com a corrupção. A corrupção nunca vai deixar de existir, mas, para que diminua, a sociedade precisa mudar. continuar lendo

Sem palavras, falou toda a verdade pura e crua, grande parte da população é corrupta e exige que um comportamento diferente do outro. Hiprocrizia pura. Parabéns Sandro, sabias palavras. continuar lendo

Se o outro partido fosse suspeito como o PT de furtar o erpario público como fois provado no mensalão e na Petrobrás receberia o mesmo tratamento. continuar lendo

Sábio Sandro Simões. Um parecer esclarecedor, racional, democrático e supimpa. CANDIDO LUIZ SANTOS MALTA (1G 001.297/A) – Reservista de 1ª Categoria do Exército Brasileiro – Afastado da ativa em 1970 no COMPORTAMENTO BOM. continuar lendo

Muito simples. O PSDB, representante do capital, achou que colocaria seus tentáculos novamente no poder, para acabar o começou em 1994. Quatro anos de governo o Brasil não seria mais dono de nenhum poço de petróleo ou refinaria. E os empregados seriam da Chevron, Shell, e outros abutres da industria do petróleo. continuar lendo

Caro Sandro, convido-o a refletir sobre o modelo venezuelano, no qual se inspira o Brasil da Dilma. A tão temida ditadura de que você fala já é realidade na Venezuela. E, com ou sem militares, se tornará uma realidade no Brasil. Acontece que com os militares evitaremos que seja uma ditadura comunista a serviço de potências estrangeiras e defenderemos o patrimônio religioso e moral de nosso país. continuar lendo

Eu sou a favor da intervenção militar. No período da ditadura, os fatos ocorridos, já haviam acontecido , mas feitos pelos terroristas, que hoje estão no poder, nos ameaçando com o comunismo da América Latina.Então, entre alguns mortos e feridos, preferimos arriscar.Do jeito que está, não dá mais para ficar.
O que antes era ordem, chamava-se de ditadura. E hoje com toda esta roubalheira e desordem? continuar lendo

Ordem pelo medo, desordem pelo medo. Não há como conciliar nenhuma das duas situações se tornando favorável a um regime comprovadamente falido em detrimento de outro, igualmente falido. O Primeiro Ministro da Inglaterra à época da II Guerra Mundial, Winston Churchil, definiu perfeitamente a situação ao falar que "a pior forma de governo é a democracia, exceto todas as outras".
O problema não é a política em si, que acabou se tornando um mal necessário (afinal de contas, é preciso conciliar as mais diversas opiniões dentro de um regime democrático para que se possa haver alguma ordem social, através de acordos e concessões de todos os lados). O problema real é o indivíduo que ocupa o cargo político, e o que ele faz com o poder que lhe é dado.
Já li diversos artigos pedindo a volta dos militares, pelo "bem" que fizeram ao país. Tais pessoas, aparentemente, não viveram àquela época, nem sofreram as consequências dos atos dos militares, durante e depois do regime deles. Ou esqueceram, o que também se diz que é outra das características do brasileiro, a memória curta. Do mesmo modo que atacaram os então manifestantes na época militar, dizendo que agora são os terroristas que estão no poder, é muito provável que tenham defendido essas mesmas pessoas na época da transição militar-civil. continuar lendo

Lívia, com o devido respeito, para uma historiadora me parece que tem uma visão bastante enviesada da história. Pois os militares tomaram o poder em 64 incensados por esse discurso (vazio) da ameaça comunista, que no Brasil foi tão real quanto as acusações do senador MCarthy nos EUA dos anos 50. Não havia o menor risco do governo Goulart, de viés progressista, se transformar num regime que objetivasse a extinção da propriedade privada. Àqueles que tecem elogios à condução do país naquela época, relembro apenas os índices econômicos e a galopante inflação que foram entregues pelo último dos generais ao primeiro governo civil. Da mesma forma, falar que o liberal governo do PT é de comunistas é ignorar tudo o que foi feito nos últimos doze anos. continuar lendo

Exatamente isso!
Esta semana veio um terrorista que é ministro de algum idiotice na venezuela sem sequer registrar sua chegada e foi direto dando palestras para os "movimentos sociais". continuar lendo

É sempre bom recordar pois muitos NÃO viveram o periodo de 1964 á 1985, mas fazem questão de opinar, alguns sem nenhum fundamento e outros que procuraram nos livros e nas bibliotecas e informados,tecem mil comentários.
Quando em 16/05/2012 a pres. Dilma empossou os membros da "Comissão da verdade", e com a voz embargada negou que o colegiado buscasse revanchismo ou a possibilidade de reescrever a história, ela
que foi integrante da organização clandestina VAR-Palmares, emocionou-se ao relembrar os "sacrificios" humanos irreparáveis,daqueles que lutaram pela redemocratização do país......

"Peço licença para discordar"

Como ex-integrante de dois desses grupos que se alinharam contra o regime militar,no final dos anos de 1960 e inicio dos anos de 1970,posso dizer com pleno conhecimento de causa que "nenhum" de nós estava lutando para trazer o Brasil de volta para uma democracia burguesa, que desprezavámos.
O que queriamos mesmo, era uma "democracia popular" ou proletária, mas não na linha da URSS,por nós julgada muito burocrática e já esclerosada.
O que queriamos MESMO, a maioria, era um regime a La Cubana no Brasil, embora alguns preferissem o modelo "Maoista",ainda mais revolucionário.
Os Soviéticos -e seus seguidores no Brasil, o pessoal do partidão- eram considerados reformistas incuráveis,e NÓS pretendiamos um regime revolucionário que,inevitavelmente, começaria FUZILANDO burgueses e latifundiários.Eramos consequentes como nossos propósitos.
Sinto muito contradizer quem de direito, mas sendo absolutamente sincero, era isso mesmo que TODOS desses movimentos, queriamos.
"Essa conversa de democracia é para não ficar muito mal no julgamento da história".
Estávamos equivocados,e eu reconheço isso.Posso até dar o direito a outros de não reconhecerem e não fazerem auto-critica, por exemplo dizer que NÓS PROVOCAMOS,sim provocamos o endurecimento do regime militar, quando os ataques da guerrilha urbana começaram.
Isso....é um fato .
Enfim, tem gente que pode até querer esconder isso, mas eles não tem o direito de "deformar" a história, ou mentir....

Paulo Roberto de Almeida- Ex-guerrilheiro.

Esse é o relato de um ex-guerrilheiro que afirma categóricamente que eles, nunca pensaram em democracia, e o que vemos atualmente é exatamente isso, ou pensam que Dilma,Zé Dirceu,Genoino, Franklin Martins e tantos que receberam polpudas indenizações por terem sido taxados (pelos cumpanhêros) de ex-presos políticos e amantes da democracia, ao contrário de varios militares e civis que foram mortos pelos ditos ex-combatentes do regime.
Vivi todo aquele periodo (tenho 68 anos) e posso dizer que,embora faltasse liberdade de expressão, tinhamos segurança,pleno emprego e escolas muito boas.É bom viver em um regime militar? CLARO QUE NÃO. Mas asseguro que o momento q continuar lendo

Completando:
É bom viver no regime militar?Claro que não, mas o momento que vivemos atualmente difere pouca coisa daqueles tempos, ou seja, o que temos que é melhor? Apenas podemos nos expressar, e somente isso. No mais convivemos diariamente com corrupção a todo vapor, urnas eletronicas que NINGUÉM quer, um judiciário de quatro para o executivo, um congresso subserviente, políticos se locupletando com dinheiro público, policia federal sob rédeas da presidencia, educação de péssima qualidade,Saúde catastrófica, segurança de baixo nivel, negociatas entre políticos e empreiteiras, Petrobrás sustentando a politicagem, doleiros dando as cartas, presos do mensalão indo um a um para casa, afinal, que democracia é essa? continuar lendo

Não sou socialista e, por consequência, não sou comunista.
Mas, me pergunto: por que as pessoas usam um hipotético avanço do socialismo/comunismo como justificativa para um golpe militar?
Ora, se o povo democraticamente elegeu um governante socialista, essa escolha deve ser respeitada.
Qualquer tentativa de se retirar à força um governante eleito pelo povo é golpe. Falar intervenção é mero eufemismo.
Falar em maioria do povo não dar apoio ao governante eleito é alterar a verdade dos fatos, já que a Presidente ganhou a eleição.
No mais, é muita falta de conhecimento achar que o atual governo federal é socialista, comunista ou pretende impor uma ditadura comunista.
Primeiro, porque é impensável um governo comunista aceitar os lucros astronômicos que os bancos têm hoje em dia, o que demonstra que o atual governo federal é, de fato, capitalista.
Segundo porque nunca vi uma ditadura com tanta liberdade de expressão como há hoje em dia. Vivemos numa época em que se pode falar mal, zombar, fazer piada e até mesmo achincalhar a Presidente da República que seu direito de se expressar é garantido.
Terceiro, porque trata-se de uma época em que a liberdade de imprensa é amplamente praticada no país.
Com o perdão do trocadilho, veja-se o caso da revista Veja: há 12 anos bate no governo federal, sem que uma linha de censura lhe fosse aplicada.
A atual Presidente não mandou fechar, bater ou prender ninguém. Ao contrário: se socorreu do Judiciário para tentar tirar a revista do ar antes da eleição, por suposta propaganda eleitoral por veículo proibido, argumento que foi aceito pelo TSE (sobre este assunto, podemos concordar ou discordar da decisão do TSE, mas não se pode negar que foi decidida de forma democrática.).
Os eleitores que não gostam do atual governo devem aprender a perder . A vitória do PT (que, por sinal, não é meu partido, nem foi minha opção de voto) ocorreu segundo os ditames democráticos. A decisão do povo deve ser respeitada. Qualquer outra é fazer apologia a um golpe militar, o que vai contra a vontade declarada do povo nas eleições de outubro. continuar lendo