jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2020

Déficit de delegados no Brasil chega a 6,2 mil, segundo Fendepolc

A Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil (Fendepol) alertou sobre a falta de delegados no Brasil e apontou os casos mais graves.

Eduqc Consultoria, Administrador
Publicado por Eduqc Consultoria
há 7 meses

De acordo com dados da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil (Fendepol), faltam 6.200 delegados em todo o Brasil. Dentre os estados que apresentam as piores situações estão: Minas Gerais, Bahia, Piauí e Goiás.

“A causa é a falta de financiamento nas polícias civis. Até hoje não houve políticas públicas adequadas para financiar as polícias civis, que é onde surge a demanda da justiça criminal. Sem uma delegacia bem aparelhada, a impunidade irá reinar”, disse Rodolfo Queiroz Laterza, diretor da Fendepol, em entrevista ao Jornal Hoje.

Em Goiás, por exemplo, existe uma lei que permite que um delegado preste serviços a outras duas delegacias, além da sua. Mas, há casos de delegados atendendo por até sete delegacias.

“Essa é uma situação que não permite que a autoridade policial preste um serviço adequado para a coletividade", alertou Adriano Sousa Costa, presidente do sindicato dos Delegados de Goiás.

Para reverter a situação, seria preciso a abertura de novos concursos para a carreira nos diversos estados que apresentam carência. Outra possibilidade seria o chamamento de aprovados em concursos nos estados onde há seleções em validade para a função.

Goiás apresenta uma das situações mais graves

No início de outubro, o sindicato já havia chamado a atenção para a falta de delegados no estado. Segundo uma notícia veiculada pelo jornal local e republicada pelo sindicato, faltam profissionais em 176 delegacias. O número representa 70% das delegacias.

O mesmo delegado é responsável pelo município de Abadia de Goiás responde por quatro municípios, que juntos somam mais de 37 mil habitantes, o que extrapola o limite previsto em lei.

“Hoje nós temos uma carência enorme, principalmente no interior do estado. Temos casos de municípios que fecharam a central de flagrantes”, ressaltou Adriano Sousa Costa na época.

Para contornar a situação, a Polícia Civil de Goiás (PC-GO) formou, recentemente, 122 novos delegados. No entanto, não há previsão de quando os policiais iniciarão os trabalhos.

“Vemos recentemente o governo de Goiás anunciando medidas importantes para a segurança pública, a exemplo do chamamento de um novo concurso para agente penitenciário e o incremento de vaga de promoção para os policiais que já estão em serviço. O governo disse que existe dinheiro e se existe dinheiro é necessário que o governo tome a atitude de chamar esses delegados para suprir essa falta”, questionou o presidente.

Crime organizado se intensificou no interior do estado

De acordo com uma nota publicada pelo sindicato, o crime organizado já identificou esse déficit e está migrando da capital do estado, onde há mais policiamento para o interior.

“Cada vez mais prisões de membros de facções de organizações criminosas de quilate nacional estão sendo feitas no interior, o que indica que as raízes do crime organizado estão se fortalecendo onde há menos investimentos em Segurança Pública qualificada”, denunciou o sindicato.

Nos últimos 20 anos, a Polícia Civil goiana já perdeu quase 50% do seu efetivo. Em abril de 2014, após a posse dos aprovados no penúltimo concurso da carreira, o estado contava com 421 delegados em atividade.

Em agosto de 2019, o número já estava reduzido a 326 delegados. Isso significa que em cinco anos houve a diminuição de 95 delegados de polícia na ativa, sem que houvesse reposição dessas vagas.

Último concurso para delegados em Goiás foi realizado em 2018

O último concurso para delegados da Polícia Civil de Goiás foi realizado em 2018. A seleção, que ofertava 100 vagas, recebeu 21.893 candidaturas, o que representou uma concorrência de 218,9 candidatos por vaga.

Para participar era preciso ser graduado em Direito. A remuneração oferecida era de R$19.242,52, para uma carga de trabalho de 40 horas semanais.

+ Polícia Civil-GO homologa resultado final do concurso para delegado

Agora os aprovados na seleção aguardam a convocação para o concurso. O concurso PC-GO foi homologado em maio e terá validade de seis meses, prorrogáveis por igual período.

O regime de contratação é o estatutário, que garante a estabilidade empregatícia aos servidores, após o período de estágio probatório. Os delegados ainda poderão realizar viagens e prestar serviços fora do expediente e local de trabalho.

O EduQC é seu aliado na hora de estudar. Com ele, você consegue organizar o seu tempo de estudo pelas disciplinas que mais precisa se aplicar e ainda testa seus conhecimentos, constantemente, por meio dos Simulados oferecidos pela plataforma.

Quer saber mais? Clique aqui para conhecer a nossa metodologia.


Fonte: Folha Dirigida

19 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Eu entendo o déficit: se arriscar por pessoas que falam mal, q dizem q todo 'policia' é violento e desonesto, q não apoiam quando nosso bravos guerreiros embatem com bandidos e levam a melhor, q chamam a polícia brasileira de uma das mais violentas do mundo, como se pudesse ser diferente em um país com o número de bandidos q temos, não é uma profissão atrativa. continuar lendo

Na boa vc existe? To desconfiando que é um robô sempre nessa linha em todas publicações do jus brasil, bem ativa, depois que a joice H do psl denunciou rede de 1500 robôs fico desconfiado quando vejo muita atividade continuar lendo

Existo sim, João Paulo e sou consistente na minha linha, por isso meus comentários são sempre coerentes com as minhas convicções: ferrenha defensora dos direitos da maioria e da liberdade do indivíduo, dentro do cumprimento do ficto contrato social. Isto é: contra direitos de minorias, e em favor do direito a única minoria q merece proteção, o indivíduo. Sou em favor do princípio da igualdade apenas. continuar lendo

Isa Bel sempre faz ótimos comentários. continuar lendo

Obrigada, Moraes. Faço o q posso para trazer luz às trevas q o direito tem se tornado. continuar lendo

Perfeito, Dra Isa Bel, policias corruptos, desonestos e agressivos, mesmo em minha época, já existia, mas devem ser punidos severamente, tanto é que em minha época, quando comandava um Destacamento Policial na região de Jundiaí, sp, um dos meus comandados foi expulso da Corporação e, como escrivão de um Conselho de Disciplina, nesta mesma região, foram dois exonerados. As Corporações (PM, Polícia Civil, Guardas Municipais, Polícia Federal) são boas e, devem ser valorizadas e respeitadas pela população; não enxovalhadas devido a alguns poucos desonestos... continuar lendo

Isso mesmo Isa Bel. Nós robôs pensamos melhor que os MAVs esquerdistas, com inteligência e leitura correta da verdade dos fatos. Os esquerdinhas nem sabem que cumprem uma agenda mundial macabra e perigosa é que agem como zumbizinhos doutrinados. Sobre a polícia, no Estado de MS um B.O. leva mais de 365 dias para transformar TAC. Da Casa da Mulher Brasileira a lá Dilma, os B.Os são flagrantes de inoperância proposital e desrespeito pelos direitos constitucionais. Notícia falsa de crime pelas "mulheres protegidas" (da pior espécie) levam mais de 365 dias para ouvir o suposto agressor (sem violência/ameaça), enquanto a Medida Protetiva entra em vigor com graves constrangimentos ilegais. Peço atenção nessa área de engano no Brasil. continuar lendo

Pra que serve delegado mesmo? Quem faz o IP. é o escrivão, quem investiga e cumpre mandados são os agentes ou inspetores, depois, tudo é refeito na justiça. Ô gasto de dinheiro inútil, mas o lobby é forte! Na vdd, delegado só serve para dar as entrevistas quando as reportagens aparecem, receber os melhores salários das polícias judiciárias e se queimar na fogueira de vaidades com o MP. Pode doer, mas a vdd é essa. continuar lendo

Tal conceito deturpado mostra o pensamento de alguém que desconhece o direito, inclusive a carta magna, que preceitua que as polícias civis são dirigidas por delegado de carreira. Ao invés de criticar uma ou outra carreira, os contribuintes deveriam cobrar dos governantes, investimentos na polícia judiciária, para sua modernização e o uso de técnicas e métodos científicos que acompanhem a crescente expansão da criminalidade, inclusive organizada. Taxar todos os delegados de inúteis é coisa de quem não conseguiu passar num concurso para essa carreira, ou desconhece a realidade de uma persecução criminal no país. Obviamente que bons e maus profissionais existem em qualquer área, mas generalizar é tendência de insipientes que desconhecem a realidade dos fatos e ficam apontando o dedo, ao invés de propor melhorias para a classe policial como um todo. É preciso políticas públicas de base, para todas as carreiras policiais, investimento em infraestrutura e tecnologia, aperfeiçoamento das carreiras, e não só realização de novos concursos. continuar lendo

Carreira única já! continuar lendo

Detectado mais um frustrado por não ser aprovado em concurso para delegado de polícia. Provavelmente um policial com curso de direito que acredita ser muito mais preparado que o delegado dele mas que nunca passou nos vários concursos que prestou. Cadê o alto preparo dele então? continuar lendo

Eu "desafio" a quem quer que seja, provar a mim, o contrário do que sei. Assim como é a mais pura REALIDADE do constante do presente artigo, acontece a mesmíssima coisa com a PM, principalmente em nosso Estado (SP). Muitos (inclusive por aqui no Jus) fazem duras críticas aos policiais, mas se esquecem de que, como cita um antigo ditado popular; "ruim com eles, pior sem eles". Quando na ativa, trabalhei externamente (policiamento) e internamente (administração) e também no Corpo de Bombeiros (administração) e de lá (a mais de 20 anos), vejo com tristeza o aumento assustador do crime organizado, que antes se limitava ao Rio de Janeiro (CV) praticamente e, atualmente, há várias facções espalhadas pelo Brasil afora, com fortes ligações com máfias italianas e outras, enquanto que os efetivos das policias ficam defasados. Não costumo "discutir" problemas da área médica, porque não sou formado em medicina ou enfermagem, mas nessa "praia" (segurança pública), onde me formei, sei muito bem o que cito a respeito, tanto é que RATIFICO o conteúdo do texto em questão. Se há algo (Leis) que impeça aumento de efetivos policiais, com a consequente oneração dos orçamentos, não é problema da população ordeira, trabalhadora, quem deve ser prejudicada por isso, pois justamente é dos seus "bolsos" que saem esse dinheiro. Dificilmente você vê um governante entrar rico e sair pobre de uma administração, quer seja ela municipal, estadual ou federal, pelo contrário, muitos duplicam no mínimo seus bens, de suas famílias e até de amigos (leia-se parceiros)... continuar lendo

O escrivão faz os boletins de ocorrência e flagrantes e o delegado passa depois para assinar, provavelmente só quando houver flagrante.
Se o escrivão ou investigador for bacharel em Direito pode assinar o flagrante ad-hoc, porém como um caso excepcional; nestes casos da publicação já deve ter sido tornado cotidiano.
Como a fiscalização dos cartórios das delegacias é competência do juiz corregedor da comarca e semestralmente obrigatória, tente imaginar o quanto o executivo e o judiciário estão fazendo de conta que não enxergam o descalabro para com a coisa pública.
Quem sofre é a população. continuar lendo